O amor ao próximo

Neste mês de janeiro estamos considerando, nas mensagens no Urbanova, aspectos do amor divino, para nos lançar bem no Ano do Amor.

No domingo, dia 8, consideraremos o tópico: “O amor ao próximo”, que Jesus estabeleceu como o segundo grande mandamento, Mateus 22.34-40.

Entre outros pontos, devemos pensar nestas verdades:

  • Qual é o maior bem que podemos fazer aos outros?
  • Como pode ser o amor ao próximo “perfeito” como é perfeito o amor de Deus, pois tal perfeição é mandamento dele?
  • Como evitar o orgulho ao servir ao próximo?
  • Como conciliar o nosso tempo e os recursos às necessidades alheias?

Venham participar conosco, no Urbanova, 19h30-20h45. Tel. 3949-1246.

A grande razão

A photo by Vlad Shapochnikov. unsplash.com/photos/A--cz3cxstIComeçando no domingo, dia 2/out, vamos nos dedicar durante algumas semanas, nas mensagens no Urbanova, ao tema: “A grande razão”.

As crianças pequenas aprendem logo a fazer a pergunta: “Por quê?” Mas os adultos também a fazem, e precisam fazer.

Quando se fala nas coisas da fé, é preciso fazer também a pergunta do porquê.

Amanhã nosso texto será 1 Timóteo 1.5: “A finalidade desta ordem é o amor que procede de um coração puro, de uma consciência limpa e de uma fé sem fingimento” (VFL).

O que permeia toda a série é o amor e o relacionamento com Deus — e, é claro, como entrar em relacionamento com ele e permanecer neste.

Venham participar conosco, a partir do dia 2/out, domingo, 19h30-20h45, no Urbanova. 3949-1246.

Conversão: uma troca de amores

Meu amigo texano, Mike Riley, escreveu sobre a conversão. No seu segundo ponto, disse que a conversão é uma mudança de afetos, ou amores:

Quando somos convertidos, verdadeiramente, a Cristo, trocamos nosso amor do pecado pelo amor a Deus. É nessa base que guardamos os seus mandamentos, João 14.15; 1 João 2.3. Demonstramos a conversão dos nossos afetos pelos nossos atos, Tiago 2.14-24; 1 João 3.15-18.

(Para o primeiro ponto de Mike, ver aqui.)

É isso mesmo. Jesus ensinou que não se pode amar dois senhores. No contexto dessa sua fala, no sermão do monte, ele se referia ao dinheiro:

Ninguém pode servir a dois senhores; pois odiará um e amará o outro, ou se dedicará a um e desprezará o outro. Vocês não podem servir a Deus e ao Dinheiro.

E Tiago nos lembra da impossibilidade de sermos amigos de Deus e do mundo. “Adúlteros, vocês não sabem que a amizade com o mundo é inimizade com Deus? Quem quer ser amigo do mundo faz-se inimigo de Deus” Tiago 4.4.

Deus exige exclusividade no nosso amor. E como Mike lembrou bem, esse amor tem de ser demonstrado nos atos, e não somente da boca pra fora. Continue lendo “Conversão: uma troca de amores”

Como amar a Deus

De Élcio Márcio, Belo Horizonte MG

Se de fato amamos a Deus, ouviremos sua voz e obedeceremos sem hesitação sua vontade. O verdadeiro amor consiste em obedecer à vontade de Deus. E a sua vontade é amá-lo sobre todas as coisas e amarmos uns aos outros como Ele nos amou.

Amar é colocar em pratica o que aprendemos; é ser paciente, benigno, excluir o mal, é ser fiel, gentil e ter domínio sobre nossas ações.

“Todo aquele que crê que Jesus é o Cristo é nascido de Deus, e todo aquele que ama o Pai ama também ao que dele é nascido. Nisto conhecemos que amamos os filhos de Deus: quando amamos a Deus e praticamos os seus mandamentos. Porque nisto consiste o amor a Deus: obedecer aos seus mandamentos. E os seus mandamentos não são penosos” 1 João 5.1-3.

Frases: Jesus decepciona

Jesus decepciona a pessoa que lhe vem com expectativas fora da vontade de Deus. João 6.60.

A obra do diabo é levantar barreira entre nós e Deus. Para isso, ele faz de tudo para ter sucesso. Mente toda hora sobre o Criador. A vitória sobre a tentação é resistir às suas mentiras.

“Deus nos ordena a adorá-lo, porque é para nosso benefício. Precisamos da adoração a fim de cumprir a nossa natureza como seres espirituais”. —J.S. Williams, Cristianismo original

A marca dos cristãos é Cristo. Todo o resto é … resto, supérfluo.

Sinal do amor é falar a verdade. Escondê-la raramente mostra o amor, mas acaba sendo uma forma da hipocrisia ou da falsidade. Efésios 4.15.

“Uma concepção defeituosa de Deus conduz a uma percepção errada de tudo relacionado a ele”. —Frank Chesser

Qual o nome da “nossa igreja”? Cristo. Qual a nossa doutrina? Cristo. Qual o nosso “negócio”? Cristo.