Deus ama você, sempre

Deus ama você, independentemente de qualquer coisa. Seus mandamentos são condições para desfrutar a sua presença. Pois ele é santo e quem se aproxima dele tem de ser purificado pela fé obediente no sangue de Cristo. Seus mandamentos não são exigências para receber o seu amor. Ele o amou antes de você pecar, e depois. É o seu amor que procura você e o convida a obedecer. Seu amor veio antes da sua obediência, e não depois.

O ser humano torna a conduta numa condição do amor. Para merecer o amor, você tem de fazer isto ou aquilo, ou ser perfeito de alguma maneira. Deus não faz isso. Seus mandamentos nos colocam em posição de receber o perdão. Estes são em si uma expressão do seu amor.

O amor de Deus é constante. Sua graça salvadora, porém, tem condições. Deus nos olha com amor em todo o tempo. Ele nos deseja todo dia. Ele quer que estejamos com ele sempre. Mas ele somente pode cumprir estes desejos para conosco quando aceitamos seus termos de comunhão. Quando recusamos, ele sente profunda tristeza. Nosso arrependimento lhe traz grande alegria.

Duas ideias erradas diminuem o amor de Deus. Primeiro, que temos de merecer seu amor pela nossa perfeição. Segundo, e talvez a ideia mais comum hoje, é que o amor de Deus permite qualquer ação e dispensa com a obediência. Ambas as ideias impossibilitam um relacionamento com ele, tornando seu amor em mesquinhez ou em permissividade.

O Senhor não é um Deus que usa luvas brancas, como a sogra em visita que empina o nariz com uma partícula de pó. Nem é um vovôzinho que acha que tudo o que seus netinhos fazem seja bonitinho.

Deus ama e perdoa. Ele procura nos estender sua misericórdia. Torna simples o processo de chegar até ele. Que possamos ser sempre certos do seu amor e seguros na sua graça.