Dia do intelectual e a fé

O dia 21 de junho é o Dia do intelectual. Um site oferece as seguintes informações sobre este reconhecimento:

O Dia do Intelectual é celebrado anualmente em 21 de junho. Esta data é uma homenagem a todas as pessoas que se dedicam ao ato de criação, imaginação, pensamento e reflexão sobre os mais diversos temas recorrentes da vida e do universo. Normalmente, os intelectuais são indivíduos com um elevado senso crítico, mas não significa que são gênios, por exemplo. O intelectual é aquele que consegue refletir a partir de diferentes prismas.

Precisamos de intelectuais que conseguem refletir a partir de uma prisma diferente do que a da religiosidade atual, pois esta está dividida entre milhares de denominações com ensinamentos conflitantes, perdida por deixar se influenciar pelos valores da sociedade e ineficaz para mudar vidas e prepará-las para a eternidade.

Não é preciso grandes dotes criativos, porque estaria reinventando a roda. A solução está na mão. A prisma que resolve todos os problemas da problemática da religião hodierna vem de cima.

Mas é preciso sim re-imaginar como podem ser diferentes a fé e a prática hoje. Por exemplo:

  • Você consegue imaginar “igreja” sem pensar em denominação, nome denominador, edificação física ou grupo hierárquico que comanda seus adeptos?
  • Você consegue imaginar “cristão” como descrevendo de fato aquele que reflete a vida e a missão de Cristo?
  • Você consegue imaginar “louvor” que é mais do que show de fortes emoções que apenas imita as estrelas e os famosos do mundo?
  • Você consegue imaginar a sinceridade que não ignora a verdade, mas segue em busca da aplicação verdadeira da fé?
  • Você consegue imaginar uma fé que dá valor a cada experiência da vida como oportunidade de demonstrar a presença de Deus?
  • Você consegue imaginar uma transformação de vida que atinge mente, corpo, alma e espírito?
  • Você consegue imaginar um amor fraternal intenso e sincero que cuida dos menos favorecidos, considera todos iguais como criaturas de Deus e desenvolve no meio da família da fé a justiça divina?

As sociedades do mundo já tentaram todo tipo de governo, experimento, utopia, comunidade, estrutura — e até agora não se consegue estabelecer o que o ser humano mais almeja: o amor, a justiça, a paz e a liberdade.

Não é hora de ser intelectual, usando a mente para imaginar o que Deus projetou no início e que ainda oferece ao homem pós-moderno — homem este que ignora a História, valoriza o niilismo explosivo e caminha rapidamente para o caos?

Não precisa ser um gênio para poder fazer isso.

Pergunta? Dúvida? Comentário?